Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Vivendo a Vida-Kung Fu


Nosso Convívio com o Patriarca Moy Yat


No ano de 1990, o Patriarca Moy Yat pisa em solo brasileiro, sendo a primeira de muitas visitas que se seguiram até o seu falecimento em 23 de janeiro de 2001.
Como discípulos de primeira geração de Grão-Mestre Leo Imamura e de segunda geração do Patriarca Moy Yat, sempre tivemos a curiosidade de conviver com o nosso Si Gung (Patriarca Moy Yat ) nos Estados Unidos, vivenciar o seu dia-a-dia e experiência aquilo que ele chamou de Vida-Kung Fu.



Nossa oportunidade apareceu em 1997 quando ele anunciou sua aposentadoria que seria efetivada no dia de seu aniversário. Na ocasião todo o Clã tinha se mobilizado para esse festa ser celebrada  com um grande banquete no dia 28 junho.
Todas as escolas da  Moy Yat Ving Tsun estariam presentes a esse evento, e aqui no Brasil não seria diferente.
Os Mestre Seniors  Nataniel Rosa , Julio Camacho e Fabio Gomes estiveram presente neste evento de proporções grandiosas e em muitos outros que se tonariam marcos em nosso clã.
Mesmo no momento mais triste de nosso clã, quando o Patriarca faleceu em 23 de janeiro de 2001, estivemos juntamente com nosso Si Fu (Grão-Mestre Leo Imamura), representando todo a família Moy Yat Sang naquele momento.
Cada uma de nossas viagens podemos enriquecer nosso conhecimento e possibilitar o  aprendizado de  uma Arte Clássica Chinesa em pleno século XX.

Muito temos a agradecer ao nosso Si Fu (Grão-Mestre Leo Imamura) por ter nos dado acesso não somente a família Moy Yat Sang mas ao Clã Moy Yat como um todo. 


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Celebrando o Ano novo Chinês - Ano do Galo de Ouro




A Moy Yat Ving Tsun Martial Intelligence celebrou a chegada Galo de Ouro.




 Como de costume o Mo Gun ( Recinto Marcial ) é preparado com antecedência, deixando de para trás as energia do ano passado e preparando para a energia do novo animal do zodíaco Chinês.

Durante a preparação do Mo Gun, e dado muita atenção do San Toi ( Mesa Cerimonial ), pois essa mesa compõe a área que e chamada  Jing Tong ( recinto principal ).

Essa área é destinada aos nossos ancestrais, sendo um memorial no qual nos ajuda a lembrar o quão importante foi o papel de cada um deles para a preservação do sistema Ving Tsun (Wing Chun ).



Logo após tivemos a reunião anual dos Discípulos do Clã Moy Yat Sang, com assuntos pertinentes a residência Oficial do Discípulos e inúmeros temas foram colocados  sobre a pratica do sistema Ving Tsun (Wing Chun).

Para as discussões deste ano, Grão Mestre Leo Imamura passou 2 videos mostrando a primeira visita do Patriarca Moy Yat ao Brasil no ano de 1990. Podemos neste momento perceber como o Patriarca preparou o terreno para que o Ving Tsun (Wing Chun) pudesse florecer no Brasil.



Para prestigiar esse evento estiveram presentes os seguintes Mestres da Moy Yat Ving Tsun conforme a foto acima :






A noite foi dado um grande banquete, reunindo membros de diversos estados no Restaurante China Garden, localizado na zona sul de São Paulo.

Durante a celebração o Clã pode degustar alguns de pratos tradicionais que fazem parte deste momento festivo, trazendo boa sorte e  prosperidade.
Os chineses comem alimentos que tem o som do seu nome parecido com os sons das palavras de boa sorte ou pelo seu formato.

Seguem abaixo dois exemplos :

1 - peixe (que tem que ser inteiro), porque o som da palavra lembra o de余 yú = sobrar





Isso é para que a sua conta bancária não fique no vermelho, para que a despensa da sua casa sempre esteja abastecida. Comendo esse peixe você terá muita abundância de dinheiro.

2 - 饺子 jiǎozi = tipo de pastel, porque ele tem o formato de um 元宝 yuánbǎo = Moeda de ouro (maior valor de dinheiro na China antiga, com o formato de um barquinho).





O banquete seguiu com a apresentação da Co-líder do Clã Moy Yat Sang, Sra. Vanise Imamura lendo as previsões do zodíaco chinês para o ano do Galo de Ouro. 



E terminamos a noite com a retrospectiva do ano de 2016 feita pelo Grão-Mestre Leo Imamura       ( líder do Clã Moy Yat Sang)  bem como suas palavras para a entrada do ano de 2017, o ano do Galo de Ouro.








                                                      Foto oficial do evento 



segunda-feira, 20 de junho de 2016

Ving Tsun (Wing Chun) Experience em Brasília - DF

 Ving Tsun (Wing Chun) Experience em Brasília - DF 





                                                              Foto Oficial do Evento 

Nos dias 17 a 19 de junho de 2016 Grão-Mestre Leo Imamura esteve em Brasília para ministrar o seminário de Titulação do Ving Tsun (Wing Chun) Experience dos níveis 02 e 03.
Esse valioso instrumento do Programa Moy Yat Ving Tsun de Inteligencia Marcial tem como objetivo preparar de modo apropriado os futuros descendentes do Patriarca Moy Yat para o acesso ao Sistema Ving Tsun (Wing Chun).
O seu idealizador ( Patriarca Moy Yat), vislumbrou a necessidade de preparar o homem moderno para essa arte clássica Chinesa conhecida como Ving Tsun (Wing Chun).


                                                         Grão-Mestre Leo Imamura 



Ving Tsun (Wing Chun)  é um sistema de Kung Fu. Atribui-se à Fundadora Yim Ving Tsun a sua integralização em seis domínios - Siu Nim Tau, Cham Kiu, Biu Ji, Mui Fa Jong, Luk Dim Bun Gwan e Baat Jaam Do - representados por listagens de dispositivos corporais de combate simbólico.


O emprego de dispositivos corporais para a constituição das listagens de um sistema, visando o desenvolvimento do Kung Fu, parece natural se for considerado que a experiência corporal é a mais próxima, a mais íntima, a mais direta e aquela que se pode menos duvidar para frustrar a atividade dicotômica do pensamento, que petrifica a fluidez de uma tendência e impede que se perceba os sinais ínfimos da transformação que está por vir.
Por sua vez, desde os tempos remotos, os chineses valorizam a simbologia do combate como uma experiência de premência de morte que potencializa a capacidade de dois polos opostos se complementarem.


Concebidos a partir de uma conduta feminina, Chi Jit, os dispositivos corporais de combate simbólico, chamados de Jiu Sik, possibilitam desenvolver uma capacidade de adaptação que transforma o adversário no próprio potencial a ser explorado em um conflito.
A determinação de seis elementos, em vez de limitativo, nesse contexto, pode ter um significado de algarismo extremo, que vai até o extremo da mudança. Desde os tempos mais remotos, os símbolos foram associados a números. Ao associar os seis domínios do Sistema Ving Tsun (Wing Chun) com os hexagramas do Yi Ging, pode-se retomar a antiga ideia de associar um hexagrama a um sistema. 



O ordenamento existente entre os seis domínios do Sistema Ving Tsun, além de apontar a evolução de sua complexidade relacional, indica também a distinção de quatro modalidades um conjunto de homogêneos, composto pelos três primeiros, cujos nomes não explicitam a modalidade a que pertencem o kuen Faat -, a não ser por ausência de elementos externos; e um conjunto de heterogêneos, cujos nomes contêm referência explícita à modalidade em que se incluem, quais sejam: Jong Faat, Gwan Faat e Do Faat.
A relação da estrutura hexagramática e a arquitetura de uma situação faz-se a partir do momento que dois trigramas são identificados e assim dois centros, ou dois meios, são percebidos. É, por variação entre eles, que a “mudança” pode se produzir. Assim, contrariamente à fixação a que levaria qualquer monopolização devida a um centro único, a lógica de toda situação é a de uma regulação que, variando de um polo a outro, como aqui entre os dois centros do hexagrama, permite que o desdobramento vá até o fim do caminho tomado.


Essa duplicidade trilógica, promovida pelo hexagrama, enseja três fases, cujo conjunto é conhecido por “Sau, Poh, Lei”. Sau pode significar aceitar, manter, mas o Patriarca Moy Yat (9GVT) foi enfático: Sau, neste caso, quer dizer obedecer. Poh é romper em pedaços, para que possa ser investigado. Lei que quer dizer separar. Essas fases que potencializarão o Ving Tsun (Wing Chun) como um sistema de desenvolvimento de Kung Fu.
A função de um sistema de Kung Fu é estabelecer, em cada domínio, uma tipologia das disposições particulares que tem sido reconhecidas como as mais apropriadas para o desenvolvimento da excelência em uma determinada manifestação artística e cuja a experiência tem sido provida de mestre a discípulo, de geração a geração, como um legado familiar. 




quinta-feira, 19 de maio de 2016

Noite de Cerimônias em Brasília - DF


No sábado, dia 14 de maio, a Familia Moy Na Tan do Clã Moy Yat Sang da linhagem de Moy Yat realizou em suas dependências as cerimônias de admissão em sua familia kung fu  bem como a de acesso aos Domínios do sistema Ving Tsun (Wing Chun).

O objetivo destas cerimonias é de reconhecer os descendentes do Patriarca Moy Yat, bem como legitimar o acesso dos mesmos ao legado pertencente a esse clã.













quarta-feira, 21 de outubro de 2015

International Seminar - With Master Leo Imamura (Atlanta, Georgia)



                                                                         Master Leo Imamura 


Nowadays, he provides around 50 seminars  yearly in a different cities of North America and South as well as Europe. 
On December 19th, 2015, Master Leo Imamura will give a unique  seminar in Atlanta, Georgia.
Following the invitation of Master Wayne Belonoha (Leader of  Wai's Kung Fu), Master Leo Imamura will give a lecture which is open to the martial arts community of Georgia and surrounding states.

We would like to invite everyone to participate in this event. It promises to be a great Ving Tsun (Wing Chun) experience, even for those who are practitioners of other arts and the general public.

For more information: 




quarta-feira, 6 de maio de 2015

Video - Uma Noção sobre Kung Fu através do Ving Tsun (Wing Chun) Experience. Entrevista com Mestre Leo Imamura





http://www.vingtsunbrasilia.com.br

http://www.vingtsunsaopaulo.com.br

http://myvt.org

O elemento fundamental para entendermos o processo de aprendizado é a relação entre o  "Mestre e seu Discípulo”,sendo esta relação de convívio e não apenas de mera formalidade numa sala de aula, como a relação professor e aluno.
Uma relação de convívio entre duas pessoas, na qual uma delas, não seria apenas um Mestre que foi titulado por uma federação ou instituição. Mas sim uma pessoa que tem o domínio do processo que chamamos de Kung-Fu e que o discípulo tenha a possiblidade e a disponibilidade de conviver com esse determinado Mestre.
Mas será que o homem moderno tem esse tempo disponível para esse tipo de convívio?
Qual foi o instrumento elaborado por Grão-mestre Moy Yat , para ajudar o homem moderno a entender e valorizar a relação entre o Mestre e o Discípulo?
Em quais contextos esse instrumento pode ser utilizado?
Para falar sobre esse tema tão interessante convidamos o Mestre Leo Imamura.
Acompanhe no video abaixo:









terça-feira, 14 de abril de 2015

Video - Um olhar sobre a China - Estudo sobre os Sinólogos - 2ª Parte.










Nesta segunda parte do video (Um olhar sobre a China - Estudo sobre os Sinólogos), Mestre Leo Imamura fala da importância desses sinólogos no processo de entendimento de uma cultura tão distante da nossa, e a importância de poder explicar para a sociedade formal o trabalho feito pelas Artes Chinesas em especial no nosso caso as que envolvem o aspecto Marcial.
E como estes sinólogos conseguem trazer uma excelente riqueza de interpretação em termos de linguagem em relação ao pensamento estratégico. Trazendo uma grande contribuição para o entendimento do Kung Fu, não como arte marcial, mas como um processo voltado ao desenvolvimento  da Inteligência Estratégica.


Isso e muito mais vocês poderão ver no video abaixo: